A origem dos povos iorubás (Yoruba)

Publié le par Angola-Inteligente

 

 yorubas.png

 

Durante muitos séculos, o homem africano foi considerado como um ser sub-desenvolvido e sem cultura.

 

Hoje finalmente sabemos que a África teve seus grandes reinos, assim como uma mitologia rica de cultos e símbolos, e uma arte sacra cuja beleza é vista em quase todos os grandes museus do mundo.

 

Mesmo se encontrarmos os iorubás nas margens do Caribe, é em direção ao rio Nilo que devemos procurar sua origem. De acordo com Olumide Lucas (The Religion of Yoruba), o Yoruba, é originária do Egito. As semelhanças entre as crenças e os nomes parecem encarnar essa probabilidade. A verdade é que as origens do povo Yoruba são difíceis de seguir.

 

Primeiro porque a sua mitologia é às vezes misturada com a sua história, mas também porque a atribuição do termo iorubá para um conjunto da população é o resultado de ajustes feitos pelos invasores.

Primeiro, os Houssa que eram os vizinhos do norte, e mais tarde pelos colonos europeus.

Na verdade, a origem do povo iorubá é a cidade de Ile-Ife (Nigéria).

Yoruba é o termo dado a um grupo de tribos que "falava iorubá" e identificada com a comunidade "Ife", a "Isa", e outras que não se identificam, como os "Sabe" e os "Idaisa" embora todos esses grupos compartilhavam uma cultura e mitologia comum.

 

O povo Yoruba inclui um grande número de grupos étnicos, tais como os Egba, os Ketu, Ijebu e os Ife, entre outros. Eles eram de Dahomey (hoje Benin), do Togo e na maioria do sudoeste da Nigéria. A população Yoruba actual totaliza 40 milhões de pessoas.

 

 

Os três Reinos que desempenharam um papel fundamental na região até o final do século XIX são o Dahomey,o Oyo e o Benin.

O Dahomey foi a região mais famosa que conquistou os outros reinos no final do século XVII e se tornou num traficante de escravos que vendiam os seus prisioneiros aos comerciantes europeus. O segundo é o grande reino de Oyó, que tinha um grande poder político.

O terceiro reino histórico da África Ocidental é o Benin, que alargado o seu poder do XIII até o século XIX para se tornar num estado próspero, onde eles desenvolveram o comércio e o negócio das artes.

 

A cidade mais importante de todos os reinos Yorubas no contexto religioso, foi Ile-Ife e a tradição afirma que este é o lugar onde começou a criação da terra (a humanidade). Muitos autores, na sua maioria africanos, consideram que o fundador da nação Yoruba, foi um tal de "Oduduwa" que era de origem árabe. Alguns acreditam que ele era de Meca, do Egito ou que veio das margens do Nilo. Há muitas histórias sobre esta figura histórica que foi divinizada, e que aparece na hagiografia Yoruba como a esposa de Obatalá, embora esta passagem seja baseada na religião e não sobre a verdadeira história deste personagem. Eles também acreditam que Oduduwa foi o criador do governo moderno e das instituições e organizações que eram a glória da nação Yoruba.

 

 

A tradição oral Yoruba descreve um mito sobre a sua origem, onde é dito que Deus enviou Oduduwa, com uma corda do céu até Ile-Ife, trazendo com ele um galo, um pedaço de terra e uma semente na mão.

A terra caiu na água, mas o galo repescou o pedaço de terra, para transformá-lo em território Yoruba, a semente deu uma árvore com dezesseis ramos que representam a origem dos dezesseis reinos Yoruba.

 

O nome Yoruba vem de "yo-ru-ebo" que significaria "aqueles que fazem oferendas aos orixás." As cidades ou reinos eram liderados por um rei o(oni), mas a cidade de Ile-Ife aparecia como a Meca do culto Yoruba.

As guerras com o Daomé e as lutas internas enfraqueceram todo o povo iorubá, permitindo a captura e deportação de escravos para as Américas.

O sistema de divinação Ifa começou a partir de Ife, e espalhou-se ao resto do mundo através dos milhões de escravos que foram enviados para as colônias britânicas, francesas, espanholas e portuguesas.

 

Os ritos religiosos iorubás, assim como a sua música e crenças, chegaram até os nossos dias em Cuba, no Brasil, México e grande parte do Caribe, através da preservação das tradições religiosas reuniam em suas práticas, diferentes manifestações uma cultura que continha vários séculos de experiência.  

 

 

Publié dans Africa

Commenter cet article